segunda-feira, 28 de agosto de 2017 0 comentários

Confusion

Tudo do que vou falar a seguir envolve muito do que sinto, e por mais que de inicio transpareça estar apaixonada, iludida ou amando,  é exatamente o contrário disso. 


Começo falando de você, porque tudo lhe envolve, e por mais que eu não queira, algo que existe em mim se transita por um pouco de você. E eu, que antes me sentia imune, agora me vejo um tanto perdida. Tudo estaria bem se tudo tivesse se desfeito quando não tínhamos mais o contato de antes, quando você nem sequer queria saber mais dos meus dias, e ignorava as respostas que eu dava esperando por outra resposta sua.  Os diálogos que não muito existiam, se extinguiram, mas mesmo assim tudo estaria bem se só acabasse por ai. 
Digo isso porque a vida me deu algo a mais de você, e por mais que eu nunca tenha pedido, aconteceu. A cada dia que lhe via não sabia se iria haver outro encontro, ou ao menos alguma conversa a mais. Tudo se sintetizava em poucas palavras, num silencio que não muito incomodava, mas que aos poucos trazia um mistério que me fazia duvidar de tudo que eu cria. E eu levava isso, me levando também a não sentir nada, e tê-lo sempre como um acompanhamento dos meus dias. A linha que nos unia era tão tênue que até mesmo quando estávamos juntos, muitas vezes você não estava. Eu vi isso, mas por vezes, fingia que existia um pouco de você neste quarto, e que estava aqui não só porque não tinha outra opção.  
Mas mesmo assim tudo estaria bem se só acabasse por aí. Antes, eu que não sentia nada com isso, agora me desmorono a cada minuto quando me vejo só e incapaz de ao menos ter você aqui por perto. Não te implorei por isso, mas o tempo todo você soube que eu necessitava disso, bem mais que antes. E ainda necessito. O que não entendo é você não querer, e se distanciar como quem não sabe de nada.
Por vezes os sentimentos se esvaem e eu quase não consigo guardar tudo dentro de mim. Afinal quase já não tenho espaço. Somos dois. Existe algo a mais aqui, e que cresce a cada dia, me sufocando e me deixando cada vez mais à beira de mim mesma. O abismo se transfigura em você, e eu já cai faz tempo. E assim vou me sentindo a cada dia mais despedaçada que antes.
 Apesar de todos os clichês, sabemos bem que nada passou daquilo que delimitamos para nós mesmos. E apesar também de meu signo ser igual ao seu, e a saber que somos de água, e que isso envolve um tanto a mais de “sentir-se incapaz diante do outro”, nada disso nos foi verdade, não nos atrapalhou, e me fez duvidar da astrologia. As superficialidades dos encontros contradiziam com aquilo que dizem estar nas estrelas. Mas mesmo que não quiséssemos, nos enroscamos num estreito espaço que me fez ainda estar aqui, sendo mais um problema na sua vida.
Errei ao pensar que você não serviria mais pra nada, mas você também erra em não dizer nada. Tudo parece se controlar diante de você, mas sabemos que o que nos resta é uma bagunça, e que eu não saberia resolver sozinha. Não sei se ainda dá pra ter alguma escolha diante disso, mas se a resposta for não, eu me verei mais perdida que antes.
O que eu te peço é que não fuja assim, e que apesar de não termos nenhum laço, existe uma coisa que me impede de seguir a diante. Eu sinto muito por isso, e sinto um tanto a mais do que antes porque tudo que eu tenho agora, se multiplica por dois. Se os hormônios explicam esse texto enorme, talvez você saiba, mas do que sei é que a parte que menos me cabe se firma dentro de mim como algo que sabe que a existência é um milagre, e que o que mais quer é viver. Mais uma vez isso nos derruba, e mais uma vez eu te digo que não sei levantar sozinha. 
 
;